a caixinha do nada











































Dizem que os homens possuem uma caixinha vazia no meio de todas as outras que existem em seu cérebro. É a caixinha do nada. Eles a abrem quando querem esquecer suas preocupações, fugir da realidade e responsabilidades.
Sinto que nasci com uma dessas na minha cuca também. Só não consegui deixar ela vazia e resolvi transformar seu espaço em um dos lugares mais tranquilos e perfeitos pra mim.
Minha caixinha é uma floresta, uma floresta só minha.
Onde a luz do sol é fatiada pelas árvores, a grama, os musgos e a terra chamam para deitar e parece ser sempre início de fim de tarde.
Ás vezes o cenário muda um pouco, um caminho que leva para o mar, uma calda de cachoeira.
Era onde eu ia quando não prestava atenção nas aulas, quando o mundo machucava muito.
E é onde vou hoje, com um pouco mais de controle e sem demonstrar tanto. Quando estou presa no trânsito, querendo esquecer as várias contas a pagar, quando estou na fila do banco, caixa das compras,..
Desculpe, não quero faltar com respeito, mas até se o papo não me fisga faço uma visita ao meu paraíso interno.

É aquele lado criança que nunca vou deixar de regar e cuidar, pois faz o resto do passeio ser muito mais bonito.

Dito isso, apoio o cultivo saudável da imaginação!
E espero estar compartilhando a minha com bons jardineiros!